"Pesquisa é o processo de entrar em vielas para ver se elas são becos sem saída." (Marston Bates)

segunda-feira, 31 de dezembro de 2012

DIABETES MELLITUS (DM)



Diabetes mellitus é uma doença  metabólica caracterizada por um aumento anormal do açúcar ou glicose no sangue.  
A glicose é a principal fonte de energia do organismo porém, quando em excesso, pode trazer várias complicações à saúde.
  
Diabetes é uma doença bastante comum no mundo, especialmente na América do Norte e norte da Europa, acometendo cerca de 7,6% da população adulta entre 30 e 69 anos e 0,3% das gestantes. 
Estima-se que 11% da população brasileira com mais de 40 anos sejam portadores de DM (cerca de 5 milhões e meio de pessoas!).
Porém cerca de 50% dos portadores de diabetes desconhecem o diagnóstico até que apareçam os sinais de complicações. Daí a importância da identificação de casos não diagnosticados de diabetes visando ao seu tratamento, antes do aparecimento das complicações. 
 

CONHECENDO UM POUCO MAIS 
SOBRE O/A DIABETES:
 (a palavra tanto pode ser feminina como masculina)

Pode ser definida como uma síndrome de etiologia múltipla, resultante da falta de insulina ou da capacidade de esse hormônio exercer adequadamente seus efeitos. 

PÂNCREAS: 

 O pâncreas é uma glândula de aproximadamente 15 cm de extensão do sistema digestivo e endócrino dos seres humanos que se localiza atrás do estômago e entre o duodeno e o baço. Ele é tanto exócrino (secretando suco pancreático, que contém enzimas digestivas) quanto endócrino (produzindo muitos hormônios importantes, como: insulina, glucagon e somatostatina.

INSULINA: 

A insulina é apenas uma substância produzida pelo organismo humano e que, tendo sua produção comprometida, ocasiona a diabetes. No entanto, a insulina é muito mais que isso. Ela é um importante regulador metabólico do organismo, apresentando um amplo espectro de ações.


É um hormônio produzido nas ilhotas de Langerhans, células do pâncreas endócrino e seu papel é intensificar o transporte da glicose do sangue para o interior das células, a partir da ligação da insulina às proteínas receptoras existentes na membrana da célula-alvo, como também é responsável pela redução da glicemia (taxa de glicose no sangue), ao promover o ingresso de glicose nas células. Esta é também essencial no consumo de  carboidratos, na síntese de proteínas e no armazenamento de lipídios (gorduras).

Quando a produção de insulina é deficiente, a glicose acumula-se no sangue e na urina, destruindo as células por falta de abastecimento:DIABETES MELLITUS.

Para pacientes nessa condição, a insulina é providenciada através de injeções, ou bombas de insulina. Recentemente foi aprovado o uso de insulina inalada. 

Há alguns anos, havia o conceito tradicional de que o cérebro era insensível à insulina. No entanto, evidências recentes contradizem essa teoria. Descobriu-se que a insulina age no sistema nervoso central, sinalizando saciedade e diminuindo o apetite. Desse modo, é evidente que a insulina desempenha um papel decisivo no metabolismo da glicose e na regulação do balanço energético do organismo. Os níveis de insulina na corrente sanguínea sofrem contínuas variações, exercendo efeitos fisiológicos muito sensíveis no organismo. Verifica-se, então, a gravidade de distúrbios resultantes do descontrole desses níveis, como a própria diabetes.


GLUCAGON: 

glucagon ou glicagina é um hormônio produzido nas células alfa das ilhotas de Langerhans do pâncreas e também nas células espalhadas pelo trato gastrointestinal. É um hormônio muito importante no metabolismo dos hidratos de carbono. 

O seu papel mais conhecido é aumentar a glicemia (nível de glicose no sangue), contrapondo-se aos efeitos da insulina. O glucagon atua na conversão da ATP (trifosfato de adenosina) a AMP -cíclico, composto importante na iniciação da glicogenólise, com imediata produção e libertação de glicose pelo fígado.

A palavra glucagon deriva de gluco, glucose (glicose) e agon, agonista, ou agonista para a glicose.

SOMATOSTATINA:

A somatostatina é um hormônio protéico produzido pelas células delta do pâncreas, em lugares denominados ilhotas de Langerhans. Intervém indiretamente na regulagem da glicemia, e modula a secreção da insulina e glucagon. A secreção da somatostatina é regulada pelos altos níveis de glicose, aminoácidos e de glucagon. Seu déficit ou seu excesso provocam indiretamente transtornos no metabolismo dos carboidratos.

A somatostatina é secretada em diversos lugares:
  • estômago
  • intestino
  • células delta do pâncreas
  • hipotálamo 
 

CLASSIFICAÇÕES:  

I. Diabetes mellitus tipo 1. 

O DM1 é o tipo de diabetes predominante na infância e na adolescência, a idade em que ela se inicia geralmente é de 10 aos 14 anos (pico de incidência). Porém, a incidência (número de casos novos) do DM2 está aumentando nesta faixa etária nos últimos anos.
O diabetes tipo 1 resulta da destruição das células beta do pâncreas – células produtoras de insulina. Esta destruição é mediada por respostas auto-imunes celulares. Ou seja, o próprio organismo destrói suas células, levando ao aumento da glicose no sangue por déficit absoluto de produção de insulina.
As manifestações clínicas na infância e na adolescência variam desde a cetoacidose – que muitas vezes é o evento inicial da doença, até uma hiperglicemia pós-prandial. As manifestações podem ser desencadeadas pela presença de infecção ou outra condição de estresse ao organismo. Apesar de rara na apresentação inicial, a obesidade não exclui o diagnóstico de DM1.
O DM1 associa-se com relativa freqüência a outras doenças auto-imunes como tireoidite de Hashimoto, doença celíaca, doença de Graves, doença de Adison, vitiligo e anemia perniciosa. Recomenda-se investigar rotineiramente a doença auto-imune da tireóide e, se possível, também a doença celíaca nas pessoas que têm DM1, devido a sua maior prevalência (número de casos existentes de determinada doença).

II. Diabetes mellitus tipo 2.

O DM2 é considerado uma das grandes epidemias do século XXI e afeta quase 90% das pessoas que têm diabetes, sendo o tipo mais comum.
Ocorre quando o nível de glicose (açúcar) no sangue fica muito alto. A glicose é o combustível que as células do corpo usam para obter energia. O diabetes  tipo 2 ocorre quando não há produção suficiente de insulina pelo pâncreas  ou porque o corpo se torna menos sensível à ação da insulina  que é produzida - a chamada resistência à insulina. A insulina  ajuda o corpo a levar a glicose para dentro das células.
Os sintomas incluem aumento da freqüência urinária, letargia, sede excessiva e aumento do apetite – muitas vezes não acompanhado de ganho de peso.
É uma doença crônica que pode causar complicações à saúde; incluindo insuficiência renal, doenças do coração, derrame (acidente vascular cerebral) e cegueira.

Fatores de risco para diabetes tipo 2:
  • Idade > 45 anos;
  • Antecedentes familiares de diabetes (pai ou mãe);
  •  Inatividade física;
  • História prévia de diabetes gestacional ou de feto macrossômico (alto peso ao nascer);
  • Sobrepeso - IMC > 25 Kg/m²;
  • Obecidade central - cintura abdominal > 102 cm em homens e > 88 cm em mulheres;
  • Hipertensão arterial - PA _> 140/90 mmHg;
  • Dislipidemia - HDL < 35 mg/dl e/ou triglicerídeos > 150 mg/dl;
  • Dooença cardiovascular, cerebrovascular ou vascular periférica.

É POSSÍVEL PREVENIR ou RETARDAR O APARECIMENTO DO DIABETES TIPO 2 por meio da promoção de MEV, em especial através de redução do peso corporal, mudanças na alimentação e atividade física regular.

III. Outros tipos específicos:
  1. Defeitos genéticos da função da célula β
  2. Defeitos genéticos da ação da insulina
  3. Doenças do pâncreas exócrino
  4. Endocrinopatias
  5. Indução por drogas ou produtos químicos
  6. Infecções
  7. Formas incomuns de diabetes imuno-mediado
IV. Diabetes gestacional:
diabetes gestacional

O diabetes gestacional é o alto nível de açúcar no sangue (diabetes) que começa ou é diagnosticado durante a gestação. 
Os hormônios da gravidez podem impedir que a insulina cumpra sua função. Quando isso acontece, os níveis de glicose podem aumentar no sangue da gestante. 

Elevação da glicose no corpo da mãe pode levar ao aumento de peso no bebê
 
Corre mais risco de ter diabetes gestacional se:
  • Estiver com mais de 25 anos ao engravidar
  • Possuir histórico familiar de diabetes
  • Tiver dado à luz um bebê com mais de quatro quilos ou com algum defeito de nascença
  • Apresentar açúcar (glicose) na urina quando fizer uma consulta de pré-natal periódica
  • Tiver hipertensão
  • Apresentar líquido amniótico em excesso
  • Tiver passado por um aborto espontâneo de causa indeterminada ou tiver tido um natimorto (feto que morreu dentro do útero ou durante o parto)
  • Estava acima do peso antes de engravidar
SINTOMAS da Diabetes:

Os sintomas do aumento da glicemia são: 
  • sede excessiva (polidipsia)
  • aumento do volume urinário (poliúria) e do aumento da frequencia de micções (polaciúria), 
  • hábito de urinar durante a  noite,  
  • fadiga
  • fraqueza,  
  • tonturas
  • visão borrada, 
  • aumento de apetite (polifagia)
  • perda de peso.
Estes sintomas clássicos do diabetes muitas vezes passam despercebidos ou não são valorizados pelos portadores desta condição. 
Estes sintomas tendem a ir se agravando e podem levar a complicações severas e agudas como a cetoacidose diabética (no DM1) e o coma hiperosmolar (no DM2), caso a doença não seja diagnosticada, nem tratada.
Os sintomas das complicações que ocorrem a longo prazo, ou seja, aquelas decorrentes da hiperglicemia mantida ao longo dos anos, envolvem alterações visuais, circulatórias, digestivas, renais, urinárias, neurológicas, dermatológicas, ortopédicas e problemas cardíacos.

DIAGNÓSTICO:

Além dos sintomas e sinais clássicos da doença, que podem não estar presentes precocemente, o diagnóstico laboratorial do Diabetes mellitus é estabelecido pela medida da glicemia no soro ou plasma, após um jejum de 8 a 12 horas e também pela dosagem da glicemia 2 horas após sobrecarga com glicose (glicemia 2 horas após-sobrecarga). O diagnóstico sempre deve ser confirmado com uma segunda medida.

Os parâmetros para o diagnóstico de diabetes são:

Critérios para a presença de anormalidades da tolerância à glicose, segundo a ADA-2005:

 Diagnósticos
 Glicemia de Jejum
 Glicemia pós-prandial
(2h após 75 g de 
glicose anidra)
Glicemia Normal
 < 110 mg/dl
 < 140 mg/dl
 Glicemia de jejum alterada (GJA)
 100-125 mg/dl
 -
 Tolerância à glicose diminuída (TGD)
> 110 mg/dl e
 < 126 mg/dl
 140-199 mg/dl
 Diabetes Mellitus*
 >126 mg/dl
> 200 mg/dl

  •  Verificação de glicemia capilar:  A principal forma de verificar o controle do diabetes é o monitoramento da glicemia no sangue. 
    A verificação de glicemia capilar tem como finalidade fornecer subsídio para a Atenção Farmacêutica e o monitoramento da terapia medicamentosa, visando à melhoria da qualidade de vida, não possuindo, em nenhuma hipótese, o objetivo de diagnóstico.
 Algumas dicas importantes antes de suas verificações:

- O jejum deve ser de no mínimo 8 horas. Com menos tempo de jejum, pode-se obter resultados elevados;
- Jejum maior que 12 horas também influencia no resultado, podendo tanto mostrar resultado baixo (hipoglicemia) como alto (hiperglicemia);
- A realização desse exame deve ser, preferencialmente, pela manhã;
- O paciente não deve realizar esforço físico antes da realização do exame; longas caminhadas, por exemplo, podem alterar o resultado;
- Não se deve realizar o exame após a ingestão de bebidas alcoólicas.
- Existe também o teste de glicemia pós-prandial, que tem sido solicitado por médicos. Nesse caso é recomendado que a coleta seja realizada 2 horas após o início da refeição.
 
CUIDADOS DE ENFERMAGEM 
NO ACONSELHAMENTO, 
ACOMPANHAMENTO E 
CONTROLE DO DM:

O cuidado integral de enfermagem com empatia e acolhimento, envolvendo os familiares e até mesmo a participação dos amigos, certamente é um facilitador.
O paciente e a família devem ser alvo de ações de educaçãopara a saúde, visando a mudanças no estilo de vida, o ensino para o autocuidado e o monitoramento.
Em razão da possibilidade de complicações, o paciente diabético precisa ser monitorado através de consultas ambulatoriais a cada 3 meses, até alcançar níveis glicêmicos adequados, e depois a cada 6 meses.
Também realiza outras ações e orientações no ambulatório e no hospital, listadas a seguir:
  1.  Verificar periodicamente o peso, a cintura abdominal, a relação cintura-quadril, a pressão arterial e os pulsos periféricos;
  2.  Desestimular a ingesta de álcool e o tabagismo;
  3. Estimular a prática de atividade física regular aeróbica;
  4. Orientar quanto a ingestão de líquidos antes e após os exercícios;
  5. Orientá-los a carregar uma identificação e uma fonte de carboidratos para uso em caso de sinais de hipoglicemia;
  6. Orientar e/ou realizar cuidados com os pés;
  7. Orientar e/ou realizar cuidados com a higiene;
  8. Orientar os cuidados com a alimentação;
  9. Verificar glicemia capilar;
  10. Monitorar o controle glicêmico a médio prazo através de exame laboratorial da hemoglobina glicada ou glico-hemoglobina e da glicemia de jejum a cada 3 meses. 
FONTES:
  1. http://pt.wikipedia.org/wiki/Diabetes_mellitus
  2. Enfermagem Clínica -  Regina Trino Romano (SENAC)
  3. http://pt.wikipedia.org/wiki/P%C3%A2ncreas
  4. http://pt.wikipedia.org/wiki/Insulina
  5. http://bioinsulina.blogspot.com.br/2009/11/conceitos-fundamentais.html
  6. http://pt.wikipedia.org/wiki/Glucagon
  7. http://pt.wikipedia.org/wiki/Somatostatina
  8. http://www.abc.med.br/p/diabetes-mellitus/22360/diabetes+mellitus.htm
  9. http://www.minhavida.com.br/saude/temas/diabetes-gestacional
  10. http://www.soumaisfarma.com.br/samba/servicos/verificacao-de-glicemia.html

quarta-feira, 14 de novembro de 2012

ENFERMEIRA...

Não anda, deambula.
Não se acha, tem disposição para o auto-conceito melhorado.
Não se apaixona, tem reações químicas induzidas pelas respostas emocionais.
Não dorme, tem queda de consciência.

Não dá mole, oferece apoio emocional.
Não lava as mãos, faz antissepsia.
Não bebe, aumenta a ingesta hídrica.
Não chora,produz secreções lacrimais.Não dá conselho, faz orientação.
Não fica triste, tem campo de energia perturbado.
Não faz xixi, tem micção espontânea.
Não fofoca, faz anamnese.Não cai, tem queda da própria altura.
Não tem insônia, tem padrão de sono perturbado.
Não tem desejo sexual, tem aumento da libido.
Não tem TPM, tem síndrome do estresse por mudança.
Não se acha feia, tem baixa auto-estima situacional.
Não se machuca, tem integridade da pele prejudicada.
Não usa dicionário, usa o NANDA.
Não fica bêbada, fica desorientada auto e alopsiquicamente.
Não anda de carro, anda de ambulância!!!






quinta-feira, 8 de novembro de 2012

Anemia Ferropriva na Gravidez


É particularmente perigosa 
para a mulher. 

A anemia ferropriva, é considerada como um dos maiores problemas nutricionais. É definida como uma diminuição na concentração de hemoglobina,  tendo como consequência redução da reserva de ferro no organismo.

Entre as anemias nutricionais, anemia ferropriva representa a deficiência nutricional específica de maior prevalência mundial.


As mulheres gestantes constituem o grupo mais crítico do ponto de vista da necessidade orgânica de ferro. A demanda total do mineral durante o processo gestacional, com um único feto, é triplicada, em virtude das necessidades do feto e da placenta em crescimento, da volemia materna em expansão, bem como do aumento da massa de eritrócitos e das perdas sanguíneas do parto. Além da gestante, o feto precisa de ferro para formar hemoglobina e constituir uma reserva para os primeiros três meses após o nascimento.

A baixa quantidade de ferro no sangue da mulher na gravidez, deixa-a mais cansada que o normal.

Podendo agravar-se se houver ainda uma grande perda de sangue durante o parto, o que diminuiria ainda mais a quantidade de ferro no organismo da mulher. Neste caso a mulher deveria ter que continuar tomando o suplemento de ferro mesmo após o parto.


A melhor arma para prevenção da anemia ferropriva, é sem dúvida uma balanceada alimentação, que naturalmente possui ferro e com nutrientes. As melhores fontes de naturais de ferro são alimentos de origem animal- fígado carne de qualquer animal- por possuírem um tipo de ferro melhor aproveitado pelo nosso organismo. 


EXAME: 

Parasitologico de Fezes com Baermann

Serve para avaliar se a gestante tem verminose e só trata com relação custo-benefício, senão, não trata! Tratando somente após a amamentação.


ORIENTAÇÃO NUTRICIONAL:

A orientação dietética para quem sofre de anemia ferropriva e também para a prevenção da doença ressalta a necessidade de consumir carnes duas vezes por dia, ingerir frutas ricas em vitamina C como manga, limão, laranja, abacaxi, maracujá, goiaba, acerola e caju, feijões, vegetais folhosos verde-escuros. Evite e a ingestão de leite e seus derivados nas principais refeições do dia, consuma aveia e cereais integrais no almoço e jantar e evite a ingestão de cafeína como refrigerantes a base de cola; mate, chá e café.
Os principais alimentos-fontes de ferro são carnes, miúdos como coração, rim e fígado de frango ou boi, vegetais folhosos verdes escuro como brócolis, couve e agrião, leguminosas como fava, grão de bico, ervilha, lentilha, feijões e abóbora.




FONTES:

quarta-feira, 7 de novembro de 2012

SÍNFISE PÚBICA




sínfise pubiana, também denominada sínfise púbica, trata-se da articulação responsável por unir os ramos direito e esquerdo do osso pubiano.

O osso púbico é a parte frontal da pélvis. A sínfise púbica é a articulação do centro desse osso. É uma articulação semimóvel que une o púbis formando a bacia (cintura pélvica), que é composta pelo sacro e cóccix, e dois ossos do quadril, que por sua vez, cada osso, é composto por três ossos compactados: ílioísquio e o osso púbico. 


As principais funções da sínfise púbica são absorver choques durante a caminhada e, nas mulheres, permitir  a passagem do bebê durante o parto normal.

Durante a gravidez, o corpo da mulher segrega hormonas (relaxina e progesterona) que permitem que as ligações sejam mais flexíveis, de forma a que os ossos pélvicos se possam expandir um pouco e criar, assim, mais espaço para que o bebé passe durante o parto. Esta maior flexibilidade, junto com uma maior pressão nas articulações e nos nervos à medida que o bebé cresce, causa a dor que sente.

Dentre as desordens que acometem a sínfise púbica estão:
  • Osteodistrofia renal, que leva a um alargamento da sínfise;
  • Ocronose, que resulta em depósito de cálcio na sínfise;
  • Espondilite anquilosante, levando à fusão óssea da sínfise;
  • Osteíte púbica, que é o tipo de inflamação mais comum nessa região;
  • Doença articular degenerativa da sínfise, que pode ocasionar uma instabilidade ou movimentos pélvicos anormais.

FONTES:


quarta-feira, 26 de setembro de 2012

PAISM: Programa de Assistência Integral à Saúde da Mulher


O Programa “Assistência Integral à saúde da Mulher: bases de ação programática” (PAISM) foi elaborado pelo Ministério da Saúde e apresentado na Comissão Parlamentar Mista de Inquérito (CPMI) da explosão demográfica em 1983, a discussão se pautava predominantemente sobre o controle da natalidade. O Ministério da Saúde teve um papel fundamental, pois influenciou no âmbito do Governo Federal e este por sua vez, se posicionou e defendeu o livre arbítrio das pessoas e das famílias brasileiras em relação a quando, quantos e qual o espaçamento entre os/as filhos/as.
Trata-se de um documento histórico que incorporou o ideário feminista para a atenção à saúde integral, inclusive responsabilizando o estado brasileiro com os aspectos da saúde reprodutiva. Desta forma as ações prioritárias foram definidas a partir das necessidades da população feminina, o que significou uma ruptura com o modelo de atenção materno-infantil até então desenvolvido. 
(...)
Destacamos que o Sistema Único de Saúde tem três esferas de atuação: federal, estadual e municipal. O nível federal tem principalmente, as atribuições de formular, avaliar e apoiar políticas; normalizar ações; prestar cooperação técnica aos Estados, ao Distrito Federal e municípios; e controlar, avaliar as ações e os serviços, respeitadas as competências dos demais níveis. A direção estadual do SUS tem como principais atribuições promover a descentralização de serviços; executar ações e procedimentos de forma complementar aos municípios; prestar apoio técnico e financeiro aos municípios. À direção municipal do SUS compete, principalmente, a execução, controle, avaliação das ações e serviços das ações de saúde. 

Os altos índices de mortalidade materna, por câncer de colo uterino, AIDS, câncer de mama, osteoporose, diabetes e tantas outras doenças podem ser evitadas desde que detectadas precocemente e curadas através de procedimentos que só têm sido oferecido episodicamente às mulheres, através de mutirões ou campanhas isoladas, cujos resultados não têm sido satisfatórios.

O PAISM aborda todas essas questões juntas e as oferece, com simplicidade e eficiência, a todas as mulheres na atenção primária (consultórios móveis e traillers). O projeto do Hospital Pérola Byington, de 1991 a 1998, demonstrou que isso é possível, viável e com ótimos resultados.

Um passo adiante nessa direção é alem do diagnóstico precoce promover a verdadeira prevenção e isso esta sendo oferecido a voce por um programa de computador especialmente preparado para este fim. (http://www.saudeprev.com.br/paism/index.php)


Foi verificado que a mulher, especificamente, exige uma atenção especial em função de fases diferentes da sua vida, situações diferentes na vida, patologias específicas, situações especificas...
Então em função disso e por um ideário feminista, a mulher é vista como um todo.
Assim, o Programa vai visar toda parte de Assistência Obstétrica, Clínico-Ginecológica e mais a parte Sistema de Vigilância Epidemiológica da Morte materna (que são as ações básicas).

Então, o PAISM diz que TODAS AS MULHERES têm direito a serem atendidas em TODOS os subprogramas do PAISM:
  • Pré-Natal,
  • Planejamento Familiar,
  • Prevenção de IST (Infecção Sexualmente Transmissível),
  • Prevenção de detecção precoce de câncer de Colo e Mama,
  • Menopausa,
  • Puerpério,
  • Habitação,
  • Outros...
Cada subprograma tem a sua forma de assistência à mulher, mas TODOS os profissionais que estão na atenção primária têm que ser capacitados e qualificados à mulher. Não precisam ser especialistas mas treinados em todos os subprogramas! 


segunda-feira, 24 de setembro de 2012

Precórdio e a Dor precordial

PRECÓRDIO: Na anatomia, o precórdio é a porção do corpo sobre o coração e à esquerda da porção inferior do esterno


DOR PRECORDIAL:  dor na região tórax situada sobre o coração e irradia para o braço esquerdo Podendo estar relacionada com angina.

Curiosidades:
  1. Nos homens a dor pré-cordial é o sintoma mais freqüente, já nas mulheres o cansaço e fadiga extrema são os sintomas mais encontrados.
  2. Nas mulheres é mais freqüente sentir náuseas, dores no epigástrio, ou nas costas, pescoço ou queixo.
  3. Muitas vezes, sintomas outros que não a dor, são sentidos já há muito tempo antes do infarto ocorrer.
  4. A intensidade da dor do infarto varia muito de doente para doente. A dor não necessita ser intensa.
  5. A dor geralmente irradia para o braço esquerdo, mas em 15% dos atingidos irradia para o braço direito.
  6. Muitos sintomas de doença das coronárias são ignorados pelos pacientes e também pelos médicos. Existem infartos silenciosos, que são revelados ao eletrocardiograma ou outros exames por ocasião de exames rotineiros.
  7. A parte do coração que necrosar, morrer, por ocasião de um infarto não é mais viável e não produzirá sintomas como dor. Logo, enquanto o doente sentir dor resta tecido cardíaco viável que pode se recuperar por si ou com tratamentos adequados. Quanto antes esse tecido doente for tratado, maiores as chances de ser recuperado.
  8. Se isso acontecer, se notar uma ou mais de uma das manifestações acima, não espere, vá ou chame imediatamente um serviço de emergência.



FONTES: http://pt.wikipedia.org/wiki/Prec%C3%B3rdio
                http://br.answers.yahoo.com/question/index?qid=20080921174138AAVFRaj
                http://www.abcdasaude.com.br/artigo.php?300

domingo, 23 de setembro de 2012

ALGUMAS DEFINIÇÕES: Circulação Colateral


 1. Fina rede de vasos que se forma, próximo ao local da obstrução de um vaso maior, na tentativa do organismo de manter o fluxo sanguíneo ao leito distal comprometido. (http://www.viamed.com.br/saorafael/informativoCardiologia02.htm)

2. As várias artérias coronárias têm inúmeras ramificações que as unem entre si, o que constitui uma grande vantagem, pois caso alguma deixe de irrigar um determinado sector do coração, outra pode compensar o seu funcionamento, evitando qualquer prejuízo. Trata-se da denominada circulação colateral, igualmente denominada "compensadora", pois muitas vezes permite que a extensão de um enfarte, em caso de obstrução de uma determinada artéria, fique mais limitada. 
(http://www.medipedia.pt/home/home.php?module=artigoEnc&id=111)

3. Normalmente, a circulação do sangue no miocárdio é feita pelas artérias coronárias. Quando ocorrem obstruções ao fluxo sanguineo normal, novos vasos pode ser formados ou abertos, de maneira que o sangue percorre caminhos alternativos, uma vez que os caminhos normais estão bloqueados. A esses vasos que compõem o caminho alternativo chamamos circulação colateral. A circulação colateral pode ser importante no infarto pois permite que o coração sofra menos após a obstrução coronária que levou ao infarto.
(http://www.incorriopreto.com.br/duvidas/duvida.asp?id=67 )

Dislipidemia – Colesterol e Triglicérides



O que é dislipidemia?

Dislipidemia significa que altos níveis de gorduras estão circulando no seu sangue. Essas gorduras incluem colesterol e triglicérides.

O colesterol é uma substância gordurosa encontrada na corrente sanguínea e em todas as células do seu corpo. É usado para formar membranas celulares, alguns hormônios e é necessário para outras importantes funções.
Seu organismo faz cerca de 1000 miligramas de colesterol por dia, principalmente pelo fígado. Outros 100 a 500 mg (ou mais) podem vir diretamente da alimentação.
O colesterol é parte de um corpo saudável, mas se está demais no seu sangue pode ser um problema. Não importa se você tem colesterol alto ou não, você precisa saber o que é colesterol e o que pode ser feito para controlá-lo. O colesterol alto é um fator de risco para doença coronariana e derrame.

Triglicérides são as gorduras mais comuns de seu organismo. Eles são também grande fonte de energia. Eles provêm da alimentação e seu corpo também produz. À medida que as pessoas vão envelhecendo, quando ganha peso ou ambos, seu colesterol e triglicérides tendem a subir.


Muitas pessoas que têm doença cardíaca, obesidade ou diabetes têm níveis elevados de triglicérides. Triglicérides elevado combinado com HDL baixo ou LDL alto favorece a aterosclerose. 

A alteração lipídica pode levar a uma condição de aterosclerose, em que placas de gordura, se depositam na parede das artérias, e se acumulam, diminuindo a elasticidade das artérias, prejudicando a circulação do sangue. Neste ponto a pressão pode começar a subir, já que precisará mais de pressão para passar em artérias parcialmente obstruídas, com a possibilidade de provocar um rompimento, levando ao derrame.


Diversos estudos têm mostrado que pessoas com triglicérides ≥ 150 mg/dl têm maior risco de ataque cardíaco ou derrame. Algumas dessas pessoas vão necessitar de tratamento.


O que causa dislipidemia?

A dislipidemia é causada quando se ingere uma dieta rica em colesterol e gorduras, quando o organismo produz colesterol e triglicérides demais ou ambas as situações.

Assim, você pode ter dislipidemia por estar com aumento de peso, ter dieta inadequada, ser sedentário, entretanto também pode ter mesmo não tendo nenhum destes fatores de risco mas por questões genéticas. Pode ainda ser causada por outras doenças que interfiram com o metabolismo como diabetes mellitus, hipotireoidismo, etc. ou pelo uso de alguns medicamentos como corticóides. Independente da causa, a dislipidemia pode causar doença cardíaca ou derrame.



Manter o colesterol sob controle é importante para todo indivíduo: homem ou mulher, jovem, meia-idade ou idoso e pessoas com ou sem doença cardíaca.


Como se diagnostica?

O colesterol e triglicérides altos não dão sintomas. É fácil ter colesterol alto e não sabê-lo. 
Daí a importância de dosá-lo através de exame de sangue. Conhecer seu colesterol pode ajudá-lo a tomar precauções para evitar o infarto ou derrame se você for de alto risco.

Todo indivíduo com 20 anos ou mais deve ter seu colesterol medido, pelo menos uma vez a cada 5 anos. Se você tiver história familiar de colesterol alto ou outro fator de risco, pode ser necessário dosá-lo antes e com uma freqüência maior.


O melhor é realizar o perfil geral do colesterol com medida de colesterol total, LDL, HDL e triglicérides. Este teste deve ser colhido com jejum de 12h.


Quais são os fatores de risco para desenvolver doença cardíaca?

• Pressão alta (tratada ou não tratada)
• Aumento de LDL (colesterol ruim)
• Baixo HDL (colesterol bom)
• Sedentarismo
• Sobrepeso e obesidade
• Diabetes mellitus
• Idade – homens ≥ 45 anos ou mulheres ≥ 55 anos
• Hereditariedade – história familiar de irmão e/ou pai com doença coronariana < 55 anos, ou mãe e/ou irmã < 65 anos



Como se deve tratar?

Os níveis desejáveis de cada fração de seu perfil de colesterol (HDL e LDL) dependem dos fatores de risco de cada indivíduo, portanto, seu médico irá orientá-lo, baseado em evidências clínicas, qual o melhor perfil de colesterol e triglicérides desejado no seu caso.

Muitas pessoas com triglicérides elevados têm doenças de base ou desordens genéticas. Diabetes e obesidade são dois exemplos.



A dislipidemia é tratada com mudanças no estilo de vida: mudanças na dieta, perda de peso se necessária e exercício. Tais medidas visam:
• Manter um peso adequado
• Comer alimentos com baixo teor de gordura saturada, trans e colesterol
• Praticar atividade física – pelo menos 30 minutos por dia na maior parte da semana
• Não fumar
• Bebida alcoólica com moderação.
• Pessoas com triglicérides elevados também devem reduzir a ingestão de carboidratos.

Em caso de falha desta terapêutica, o médico pode também prescrever medicamento. O tipo e a dose deste medicamento vão depender de seus níveis de colesterol e triglicérides, se você já tem doença cardíaca, diabetes ou outros fatores de risco para doença cardiovascular.

FONTE: http://www.institutoprocardiaco.com.br/dislipidemia.htm
              http://bioquimica-obesidade.blogspot.com.br/2010/08/doencas-associadas.html